Mafalda feminista

Olha que coisa fofa:

A Primavera Árabe das mulheres

A Folha fez ontem uma matéria com quatro artistas árabes mulheres, que desenharam a situação feminina nos países onde vivem. Gostei, muito delicada. Elas ressaltaram algumas conquistas da região, em países mais avançados nos direitos das mulheres, e reclamaram da falta completa deles em outros mais fechados, como a Arábia Saudita. Este desenho é de Sara Abdelazim:

Chapeuzinho moderna

Minha amiga Gabi, esses dias, me mostrou um ilustrador peruano incrível e engraçadíssimo, o Alberto Montt. Todo dia tem novidade  no blog dele. Achei lá uma tirinha da Chapeuzinho Vermelho (lembra que eu falei das sexualidade da Chapeuzinho em diferentes versões do conto, aqui e aqui?). Olha que boa:

Contra a violência doméstica

O meu amigo Gui acaba de me mandar essa propaganda muito boa contra violência doméstica. É legal que é engraçada e faz efeito. Dá uma olhada.

Hay mucha competencia

Tá passando toda hora uma propaganda da Sprite aqui em Buenos que me deixou super contente. Eu nunca vi no Brasil um comerical que diz para o homem se ligar que ele pode perder sua mulher para os outros todos que podem estar atrás dela. O mais comum é a propaganda que mostra aquele monte de mulher gostosa rebolando atrás de um cara qualquer – e ele a atrai com cerveja ou desodorante, sem fazer esforço, sem ter que ser bonito ou inteligente. Certo que por aqui também existem os comerciais assim. Mas esse é diferente e eu adorei.

Direto de Buenos

         
Eu me mudei semana passada pra Buenos Aires (aqui o novo blog sobre a viagem), por isso demorei tanto para postar aqui. Mas ontem estava lendo o Clarín e encontrei um artigo muito interessante. Escrito por Mabel Burin, diretora de estudos de gênero da UCES, o artigo falava sobre como esta é a última geração de avós que deve apoiar as filhas no cuidado dos netos – com a intenção de deixá-las ter uma carreira fora de casa.
          Burin diz que apesar de todos os avanços na questão mulher x trabalho, ainda é largamente entendido que o cuidado dos filhos é papel dela. Então se ela quer trabalhar, além de acumular funções, tem que se virar para arrumar alguém (em geral outra mulher parente – avó, mãe, tia, irã) para cuidar dos filhos. Ou seja,  são as mulheres mais velhas que sustentam a carreira das mulheress jovens. Mas se as mulheres jovens de hoje quiserem manter suas carreiras no futuro, como a próxima geração vai poder sair para trabalhar sem esse apoio? Burin sustenta que a resposnabilidade pela edução e cuidado das crianças deve ser das mães, dos pais, e do Estado.  Você pode ler o artigo completo aqui.

Novos produtos engana-trouxa para perder peso

Tem mulher que acredita em cada coisa que fico até chocada. Nos Estados Unidos (onde mais?) a empresa Lytess lançou leggins de  diferentes tamanhos feitas com infusões de cafeína nos fios (oi?). Diz no site   que mulheres que usaram o produto 8 horas por dia (!) durante 21 dias (!) consecutivos perderam até 5 cm nos quadris e quase 3 cm nas coxas. Aí as gatas americanas compram aos montes e ficam o dia inteiro com essa porcaria no corpo. Até que o Good Morning America resolveu testar o produto. E (ah vá!) descobriu que não funciona.
Junto com a calça fantástica, o programa testou outra novidade do mundo do emagrecimento: uma cápsula de spas americanos da Planet Beach (que eu aposto que logo mais chega ao Brasil). A promessa é que se se você simplesmente deitar na cápsula por 30 min (e tolerar um calor de até 80 graus!) perderá 500 calorias. Diz o spa que o calor é suportado com facilidade porque o rosto das usuárias fica de fora de fora da super máquina. Mas especialistas dizem que você pode ter um infarto, sofrer desidratação profunda e ainda não perder peso algum fazendo isso.